Pular para o conteúdo principal

Postagens

Programa de compliance é também para pequenas empresas

Postagens recentes

Brasil segue sem selo de bom pagador segundo Fitch

A agência de classificação de risco Fitch reafirmou nesta quarta-feira (1º) a nota de crédito do Brasil em BB-, com perspectiva estável. Com isso, o país segue sem o chamado grau de investimento, uma espécie de "selo de bom pagador".

"Os ratings do Brasil são limitados pelas fraquezas estruturais nas finanças públicas e pelo alto endividamento do governo, pelas fracas perspectivas de crescimento, por um ambiente político desafiador e por questões relacionadas à corrupção que pesaram na efetiva formulação de políticas econômicas e prejudicaram o progresso das reformas", afirma a Fitch em comunicado.

Continuar lendo: UOL Economia

IGP-M sobe 0,51% em julho ante 1,87% em junho, revela FGV

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) desacelerou de 1,87% em junho para 0,51% em julho, divulgou na manhã desta segunda-feira, 30, a Fundação Getulio Vargas (FGV). Assim, o indicador saltou de 6,92% em 12 meses até junho para 8,24%. No ano, o acumulado registra elevação de 5,92%.

No mês, o resultado veio acima da mediana das estimativas do Projeções Broadcast, de 0,49%, mas dentro do intervalo de 0,29% a 0,58%.

Planos de Saúde: ANS recua sobre franquia e 40% de coparticipação

A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) voltou atrás e decidiu derrubar a resolução normativa 433, que definia regras para a cobrança de franquia e coparticipação em planos de saúde, e fazer novas audiências públicas sobre o tema. A revogação foi aprovada pela diretoria do órgão em reunião nesta segunda-feira (30).

A resolução normativa 433 permitia que as operadoras cobrassem dos clientes até 40% do valor de cada procedimento realizado e estabelecia limites para a cobrança de franquia (similar à de seguro de carro). A medida, no entanto, havia sido suspensa provisoriamente pelo STF (Supremo Tribunal Federal) antes mesmo de entrar em vigor.

Startup recebe R$ 3 milhões para desenvolver voos executivos compartilhados

A empresa Flapper, que criou aplicativo que permite fretar viagens em aviões executivos e helicópteros, recebeu investimentos de R$ 3 milhões para ampliar seus negócios.

Para oferecer as viagens, a startup conta com aviões de empresas de táxi aéreo, que usam seu serviço como canal de vendas para atrair clientes de modo mais simples do que o convencional.

Atualmente são cerca de 20 parceiras que atendem aos pedidos dos clientes feitos pela internet.

Porém a principal aposta da Flapper para o futuro é, em vez de fretar voos inteiros, oferecer rotas rotineiras feitas por aviões executivos para serem compartilhadas por até 10 viajantes.

No modelo, que começou a ser testado em novembro, cada viajante compra passagem para voos disponíveis da mesma forma que na aviação comercial. Há no app sugestões de horários de partida.

A diferença é que quem reserva assento primeiro tem prioridade na escolha do que acha mais adequado.

Matéria da Folha de S. Paulo

Teto dos gastos vai paralisar contas públicas, aponta relatório do TCU

O TCU (Tribunal de Contas da União) fará um alerta ao Michel Temer. Sem mudanças na lei do teto de gastos — que impede que as despesas cresçam acima da inflação do ano anterior — haverá dificuldades para a máquina pública operar nos próximos anos, culminando com a total paralisia no primeiro semestre de 2024.

Em dois anos, construção perde 601 empresas e mais de R$ 120 bi em receita, aponta IBGE

A indústria da construção, uma das mais afetadas pela crise econômica no Brasil, fechou 600 empresas e viu sua receita encolher em mais de R$ 120 bilhões em dois anos. É o que aponta uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira (7) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com o levantamento, em 2016 a atividade de construção faturou R$ 318,7 bilhões no país – R$ 126,2 bilhões a menos que em 2014, quando a receita bruta foi de R$ 444,9 bilhões.

Continuar lendo...

Brasil pode ser o próximo emergente a entrar em crise financeira

​​Mohamed El-Erian, economista e guru dos mercados internacionais, alertou nesta quarta-feira (6) para o fato de que o Brasil pode ser o próximo emergente a entrar em crise financeira.

"Depois da Argentina e da Turquia, o Brasil é o próximo", questionou El-Erian em um tuíte, que veio acompanhado de um gráfico que mostra a disparada do dólar em relação ao real.

Ele é consultor-chefe de economia da Allianz, grupo multinacional alemão de seguros e serviços financeiros. Mas foi na gestora de investimentos Pimco, da qual foi presidente-executivo, que o economista se projetou, no papel de maior administrador de fundos de mercados emergentes do mundo.

A partir de amanhã, dia 31/05, o preço da gasolina sobe nas refinarias

Fonte: Jornal GGN - Em meio ao caos gerado pela paralisação dos caminhoneiros, com desabastecimento inclusive de postos e problemas com sobrepreço nos combustíveis, Pedro Parente ataca novamente. A partir de amanhã, dia 31, o preço da gasolina sobe nas refinarias e vai para R$ 1,9671 por litro. O aumento representa 0,74%.
A justificativa de Parente é que o aumento chega depois de cinco quedas consecutivas. Só em maio, a Petrobras de Parente aumentou a gasolina em 9,42%, pois em 28 de abril custava R$ 1,7977.

A paralisação dos caminhoneiros ainda não terminou. Os petroleiros entraram em greve hoje por 72 horas em protesto contra política de preços que Pedro Parente definiu na Petrobras. Todos pedem a saída de Parente e ele nesta queda de braço com o consumidor.

Ontem, um membro do Conselho de Administração, José Alberto de Paula Torres Lima, apresentou renúncia ao cargo alegando razões pessoais. Ele era um dos indicados como membro independente para o colegiado pela União e é ligado à…

Comandante do Exército já mobiliza tropas em todo o país

O Comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, determinou a imediata mobilização de todo o efetivo da força para ser empregada da liberação de rodovias. Os homens dos diferentes batalhões espalhados pelo país já foram mobilizados. O presidente Temer determinou o uso das Forças Armadas para liberar os bloqueios feitos por caminhoneiros grevistas.