Pular para o conteúdo principal

Modernização x Gestão de Custos

Todas as empresas visam o lucro e os gestores tem na TI uma oportunidade de expandi-lo. A geração de lucro está diretamente ligada à redução de custos e a implantação de um novo software ou até mesmo de um hardware implicam em custos, mesmo que esta aplicação tenha como objetivo a redução do mesmo. Por tanto, ao decidir pela implantação de uma nova tecnologia a empresa deve tomar esta decisão embasada em objetivos estratégicos necessários para a configuração do sistema ou instalação de um hardware.

Se os objetivos estratégicos não forem determinados de forma clara e precisa os custos da implantação da nova tecnologia podem sair do controle ou demandar mais tempo na implantação, o que consequentemente acarretará em custos que ao saírem do controle podem inviabilizar o projeto.

Também ligada a esta questão dos objetivos estratégicos está a escolha de um sistema já existente no mercado ou a elaboração de um sistema novo. Um sistema exclusivo pode em curto prazo parecer atraente principalmente se o custo for o mesmo do existente no mercado, o que dificilmente acontecerá, mas em médio prazo os custos com atualizações, segurança de dados e solução de bugs podem transformar esta opção em uma escolha mais onerosa.

O fator humano talvez seja o mais imprevisível dentre os itens a se considerar na implantação de uma nova tecnologia. Um ERP que propõe mexer com toda a cultura empresarial tende a enfrentar certa rejeição dos colaboradores e até mesmo de funcionários em cargos executivos. Para amenizar isso é preciso que os objetivos e a nova cultura proposta esteja bem clara para todos, mesmo que os níveis de informações sejam restritos.

A implantação da nova tecnologia deve promover a redução de custos ou aumento da eficiência produtiva para que a empresa compense as dificuldades apresentadas anteriormente e com isso consiga viabilizar a geração de lucros mais graúdos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quais são os custos da Reforma Trabalhista?

No sábado, 11 de novembro de 2017, entram em vigor as novas regras aprovadas pela reforma trabalhista que alterou mais de cem pontos da CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas), listo aqui alguns mais polêmicos e teço minhas opiniões.
O ponto que chama mais a atenção, principalmente dos críticos é o que trata das negociações entre as empresas e empregados ou sindicatos. Neste ponto, é importante dizer que a legislação atual já prevê a negociação coletiva, entretanto, garante a necessidade de se estabelecer condições melhores do que as previstas na lei. Os acordos ou convenções coletivas podem prevalecer sobre a lei desde que garantam direitos acima do legislado e tudo o que representar uma piora nos direitos dos trabalhadores deve ser anulado pelo Poder Judiciário. Já com a nova legislação isso não ocorre e passa a ser permitido que esses acordos se sobreponham ao legislado mesmo que retirem direitos previstos em lei. Este é realmente um ponto extremamente polêmico pois inviabiliza a…

O novo paradigma da gestão na era da informação

O gestor como agente responsável pela promoção de altos níveis de
produtividade e eficiência operacional deve sempre pensar em processos
decisórios. “Qualquer negócio (bem administrado) tem um conjunto de
processos definido e é necessário começar pelos (...) que tem mais
impacto na sua receita e no atendimento ao cliente. (...) Uma empresa
sem processo é uma empresa desorganizada e uma empresa desorganizada
custa muito mais.” [1] Atualmente a definição dos processos não se dá
mais como no passado quando as mudanças organizacionais eram feitas
através de decisões implementadas através de autoridade e poder. Na
era da informação o conhecimento é uma das ferramentas principais para
o desenvolvimento do negócio. Por tanto, os funcionários que lidam
diretamente com informações estratégicas são fundamentais na
elaboração e implantação de novos processos.[2] São estes que
fornecerão informações necessárias para a análise, compartilhamento e
monitoramento dos processos decisórios do gestor. I…